Contabilidade

Capital próprio: tudo o que você precisa saber

Capital próprio

Você quer empreender ou está empreendendo e está buscando aprender coisas novas, mas são muitas palavras novas, não é? Termos parecidos que indicam coisas diferentes e termos diferentes que indicam a mesma coisa, tudo isso pode ser bem confuso. Você já deve ter ouvido o termo Capital próprio e pensou que é simplesmente o ganho da empresa não é? Mas saiba que não é exatamente assim. Entenda melhor abaixo.

Então o que é Capital próprio?

O termo Capital próprio diz respeito sim aos recursos financeiros da empresa, mas não o total e sim o que ela pode usufruir. Para entender melhor, vamos supor que sua empresa possui R$10.000,00 de patrimônio, mas precisa pagar R$5.000,00 para outras empresas e funcionários. Logo o Capital próprio é de R$5.000,00.

Para resumir é basicamente todo o dinheiro que a empresa possui, mas não precisa pagar para nenhum terceiro (incluindo funcionários ou gastos diversos). É basicamente o quanto você conseguiu lucrar realmente e não precisará reinvestir.

Capital próprio não é igual ao lucro?

Não, pois o lucro ainda é líquido e pode ser realocado, diferente do capital que é um produto final. Vamos usar um exemplo. Sua empresa investiu R$5.000,00 e lucrou R$10.000,00. Desse lucro, metade precisa ser usado para ser investido novamente, na compra de recursos e pagando funcionários.

  • Investimento = R$5.000,00
  • O lucro = R$10.000,00
  • Quantidade que será gasta do lucro = R$5.000,00
  • O Capital próprio = R$5.000,00

É bem simples, pois o Capital próprio é basicamente o SEU dinheiro. Isso mesmo, o dinheiro de quem comanda a empresa e vai lidar com tudo. Para haver o lucro, a empresa precisa investir em produtos ou serviços obtendo o retorno, mas no meio disso tudo sobra uma quantia para o dono. Em outras palavras, é o lucro do dono ou dona da empresa.

Capital próprio

Pra que serve o cálculo?

É basicamente para equilibrar as contas e colocar tudo em dia. Se uma empresa está gastando mais do que lucrando claramente significa que algo não está certo. Além do lucro líquido, é preciso saber do quanto a empresa realmente está ganhando e não precisará retornar.

Se uma empresa investe R$50.000,00 e ganha R$100.000,00 todo mês, isso significa que lucro é de R$50.000,00, mas no mês seguinte ela terá que investir novamente o mesmo valor. O que sobra, o Capital próprio, é a prova de que a empresa realmente está lucrando bem e sendo um negócio de sucesso.

Além disso, ter noção do quanto de lucro está sendo obtido e não precisará ser realocado, pode ser a chave para lidar com crises e prejuízos por quaisquer motivos que sejam. O mercado não é estável e uma área pode prejudicar a outra. Podem haver momentos em que a empresa precisará de investimentos maiores ou obterá lucros menores. Portanto o dinheiro reserva é sempre muito bem-vindo e ele é melhor calculado por meio do Capital próprio.

Recursos além de dinheiro entram no Capital próprio?

Sim, mas tudo precisa ser calculado corretamente. Se você vendesse todos os seus produtos, como estaria o capital da sua empresa? Se fosse negativo, obviamente algo saiu muito errado. Mas, for nulo, a empresa precisa tomar novas estratégias e se for positivo, significa que está no caminho certo.

Seus produtos também entram no saldo do Capital próprio, que é mais teórico do que prático, pois nem sempre a empresa venderá tudo. Esse é um cálculo de predição mais do que de precaução. Você o faz quando está em dúvida sobre a quantidade de produção, serviços, funcionários, etc.

Ao realizar o cálculo, é possível saber se vale a pena contratar a quantidade “X” de funcionários, ou se é melhor optar por menos (talvez até mais), assim como se é melhor comprar a matéria prima necessária para a quantidade mensal, ou comprar menos se tiver sobrado algum produto (assim como pode comprar mais caso queira expandir a produção).

De forma geral, o cálculo é feito antes do investimento do capital, para cálculo médio de lucro e do Capital próprio e não após. Claro que pode ser um cálculo posterior, mas não terá tanta efetividade, para isso utilize o Fluxo de Caixa.

Diferença entre dívidas e recursos e patrimônio

Vamos supor que você possui um caminhão no valor de R$50.000,00, logo isso estaria agregado ao Capital próprio. Mas você decide por comprar um outro caminhão e faz um empréstimo no banco. O empréstimo é de R$50.000,00. Agora você possui o dinheiro do empréstimo, junto com o caminhão. O que significa que seu capital é de R$50.000,00 (pois mesmo que tenha o dinheiro, possui a dívida). Após comprar o caminhão e quitar a dívida, você terá um capital próprio de R$100.000,00.

O patrimônio é tudo o que você possui, sem contar as dívidas, mas a partir do momento que se fazem os descontos de futuros pagamentos que serão gastos em recursos, funcionários, serviços e produtos, só então você alcança o Capital próprio.

O interessante é que se a empresa comprou 10 computadores por R$10.000,00, isso significaria que o valor dos computadores ainda entraria no Capital próprio, pois ele envolve também os recursos. No entanto, você não pode envolver os lucros obtidos pelo recurso no cálculo. Para explicar melhor, os computadores valem R$10.000,00, mas os funcionários que o utilizam acabam trazendo R$5.000,00 de lucro para a empresa por mês. O lucro só entraria no final da conta, ou em caso de prevenção, mas não é algo que você pode contar sempre.

Pode parecer complicado, mas na verdade é bem simples. Basicamente todo o recurso que sua empresa tiver conta para o cálculo, assim como você pode inserir um valor médio ao qual deseja lucrar para ter uma noção se o investimento está sendo lucrativo ou nocivo.

Considerações finais

O Capital próprio é um cálculo simples, mas que pode ser confundido com termos como a faixa de lucro ou de patrimônio. Mas agora que você já sabe a diferença, não terá dificuldade nenhuma em traçar as melhores estratégias para o seu negócio, não é mesmo? Sempre busque utilizar os recursos da melhor maneira possível, visando o lucro, pois o investimento não pode dar prejuízo.

Deixe seu Comentário