Ideias de Negócios

Piscineiro: o que faz? vale a pena?

Piscineiro

Não é novidade para ninguém que o Brasil é um país tropical e que aqui faz muito calor, não é mesmo? Mas, o que muitas pessoas não sabem é que ele é um dos países que mais possuem piscinas no mundo todo. No ranking, o Brasil só perde para os EUA. Provavelmente, você ficou surpreso com essa informação. Que tal arregaçar as mangas e ganhar dinheiro com isso? A profissão de piscineiro vem crescendo bastante ultimamente e se tornou um negócio altamente rentável.

O mercado de trabalho, mesmo com as suas dificuldades sempre se mostra bem amplo, com o surgimento de novas profissões.

Trabalhar com piscinas pode ser algo completamente lucrativo e rentável para quem está pensando em investir em um novo negócio. Empreender nesse setor, sem dúvidas pode ser uma excelente oportunidade de trabalho.

A maioria dos donos de piscinas contrata uma empresa para fazer a sua limpeza. Raramente eles dão esse tipo de serviço para os funcionários da própria casa executar. Sendo assim, quem pensa em se tornar um piscineiro pode sem dúvidas, se dar muito bem.

Hoje você vai conhecer algumas dicas bem interessantes de como se tornar um piscineiro e ir muito mais além se quiser, montando uma empresa de limpeza de piscinas para faturar ainda mais.

Mesmo que muitos donos de piscinas queiram economizar neste tipo de serviço de limpeza, a maioria desiste. A desistência ocorre principalmente por causa dos transtornos gerados no armazenamento dos produtos químicos de limpeza. Além, de serem altamente inflamáveis.

Por conta disso, muitos proprietários optam em contratar piscineiro individual ou empresas que exerçam esse tipo de trabalho.

O que faz um piscineiro?

Piscineiro é todo profissional habilitado que através de técnicas e manipulações adequadas realizam o tratamento da água da piscina. Tratar a água da piscina é importantíssimo para que doenças não sejam transmitidas.

O público-alvo desse tipo de profissional varia entre residências, empresas, condomínios, hotéis e clubes.

Não se exige um local fixo para exercer esse tipo de atividade remunerada. O profissional geralmente é inscrito como MEI ou Microempreendedor Individual e gera nota fiscal para os seus clientes como prestador de serviços.

Aliás, se tornar MEI nesse ramo profissional é fundamental para quem quer garantir os direitos trabalhistas como aposentadoria, salário maternidade e auxílio doença por exemplo.

Que materiais são necessários para começar nessa profissão?

Existem alguns equipamentos que devem ser adquiridos obrigatoriamente por quem quer começar nesse tipo de profissão.

Estima-se que o valor inicial gasto para a montagem desse tipo de negócio seja em torno de R$ 1.500,00. A aquisição dos materiais e equipamentos são feitos sem nenhum problema, pois estão disponíveis em lojas especializadas.

Para se tornar um piscineiro, você vai precisar inicialmente, dos seguintes materiais, confira:

  • Cesto para o armazenamento e recolhimento das folhas, insetos e outras impurezas. O cabo deve ser em alumínio;
  • Aspiradores de pó;
  • Peneiras;
  • Luvas;
  • Mangueiras;
  • Escovas;
  • Motobomba indicada para a limpeza da piscina com capacidade de até 50.000 litros de água.

Obviamente, esse item não é obrigatório, mas sem dúvidas você deverá pensar na necessidade de se adquirir um carro para o transporte de todos esses materiais até o seu cliente.

Piscineiro

Dicas para ser um excelente piscineiro

Para que um piscineiro seja considerado um excelente profissional, existem algumas dicas essenciais que devem ser seguidas.

A primeira delas é sem dúvidas, investir em cursos e capacitação, isso vai agregar mais valor profissional para os seus serviços. Além disso, manterá o profissional atualizado no mercado, com novas técnicas que surgem a todo momento.

Outra dica fundamental é em relação a formalização trabalhista. Não existe mais a necessidade de trabalhar na informalidade. Hoje em dia, um piscineiro pode se tornar um MEI, ou seja, um Microempreendedor Individual.

Essa categoria de trabalho, permite a contratação de até um funcionário. Aliás, é fundamental que o funcionário contratado também receba treinamento e aperfeiçoamento profissional adequado.

Outra questão importante e que deve ser muito bem pensada é em relação a propaganda do negócio. Hoje em dia, o marketing é um dos setores mais importantes dentro de uma empresa. Então, pense com carinho sobre a criação de perfis em redes sociais e principalmente, no contato com o cliente.

Fazer panfletos e deixa-los em lugares estratégicos pode ser fundamental para a propaganda do negócio. Anúncios em veículos de comunicação do bairro, como jornais e revistas também são excelentes estratégias de divulgação.

Monte uma lista de cadastro dos seus clientes, essa prática permite um melhor relacionamento com eles e uma agilidade maior nos atendimentos. Por exemplo, se você tem um cadastro de um cliente com as suas preferências de pagamento, horário de atendimento, etc. Quando for atende-lo, basta olhar essas informações para que todo o processo seja rápido.

Quais são os perigos de uma piscina suja?

Quem é proprietário de uma piscina, deve mantê-la sempre limpa, caso contrário, as chances de transmissão de diferentes doenças são muito maiores.

Listamos alguns problemas desagradáveis de saúde para você conhecer e principalmente, se prevenir para que não aconteça na sua piscina. Acompanhe.

1 – Surgimento de micoses

A micose é uma das doenças de pele que mais surgem quando a piscina está suja. Não é só a pele que ela ataca, unhas, couro cabeludo e virilha, são os locais preferidos desse fungo.

Pele descamando e muita coceira são os sintomas principais da micose. Inclusive, é muito comum que a pessoa apresente frieiras nos pés, depois do contato com a água suja.

2 – Surgimento de diferentes dermatites

Nos diversos tipos de dermatites, existe o surgimento da foliculite, que a inflamação da raiz dos pelos. A pele fica com prurido e caroços de diferentes tamanhos, além de surgirem espinhas de tamanho pequeno com pus.

Os lugares que surgem essas dermatites são nas axilas, pernas, tronco, braços, etc. A causadora dessas doenças é a Pseudomonas aeruginosa.

3 – Surgimento de diarreia

Quando a água da piscina está suja, a diarreia é um dos primeiros sintomas que surge. São as bactérias e vírus, os responsáveis pelas contaminações.

Uma pessoa, por exemplo, que tenha contraído virose, não pode usar a piscina por pelo menos 3 semanas após a cura da doença, pois nesse período pode contaminar outras pessoas que utilizam a mesma água.

Até o cloro conseguir matar as bactérias e vírus por completo, demora. Isso significa que se uma pessoa tomar sem querer, a água da piscina suja, a probabilidade dela se contaminar é enorme.

Não deixe a água da sua piscina chegar a esse ponto de contaminação. Contrate um piscineiro, imediatamente!

Deixe seu Comentário